Cérebro comunicando para o corpo físico

Com grave na verdade são aquelas agressões Então quando você pega alguma coisa que fala sobre genética sobre raça sobre cor de pele sobre coisas que são imutáveis e não tem fundamento você pode imaginar que o desafio é muito grande e acaba na verdade desafiando a nossa própria inteligência Nossa consciência então é muito fácil e simples de entender que existe a provocação de um distúrbio e precisa de alguma forma se resolver falando sobre racismo a própria Megan que é filha de uma mulher negra e de um homem branco ela mesma já relatou que cresceu tendo de lidar com essas adversidades raciais isso não é exclusividade da mega qualquer pessoa que lide com essa questão da diversidade do preconceito do sofrimento vai crescendo um pouco calejado né vai crescendo já aqui Wando na mente esse sentimento estão ruins raciais e de repente quando ela bate de frente já na vida adulta dentro de uma família Lembrando que é uma acusação que ela fez e a família real vai se defender se se defender evidentemente a pessoa Acaba ficando um pouquinho mais intolerante com a intolerância do Bem até de logo quando ela bate de frente ela já desperto algum sentimento de uma pessoa que já foi trabalhada no decorrer da sua vida Ela já queria mecanismos próprios de defesa e de autopreservação o cérebro muitas vezes não consegue identificar sabe Elisa se aquilo é uma ameaça à Vida ou uma ameaça à sua dignidade acaba confundindo isso por isso que é tão complicado e até muitas vezes percepções físicas então eu falo para você de dor de cabeça dor de estômago dor nas costas sensação de fadiga insônia e outros distúrbios podem se manifestar porque na verdade acaba sendo essa parte emocional do cérebro comunicando para o corpo físico que alguma coisa está realmente mesa ajustável de algo não vai bem interessante poder analisar tudo isso com Dr Fernando Gomes em Doutora eu queria falar mais de várias coisas várias perguntas mas o nosso tempo chegou ao fim a mulher tem mais amanhã tem mais sempre tem mais hein