STF declara que Moro foi parcial em condenar Lula

A analise do caso começou em dezembro de 2018, quando os ministros Edson Fachin e Carmem Lúcia votaram contra o pedido de Lula para declarar Sergio Moto suspeito, depois que o ex juiz condenou o petista a 9 anos e meio de prisão em julho de 2017, hoje a ministra Carmem Lúcia mudou de posição e formou maioria pela parcialidade de Moro, o ministro Nunes Marques seguiu o voto de Edson Fachin contra a suspensão de Moro e informou que as mensagens trocadas pelo ex juiz e os procuradores da Lava Jato foram rackeados, portanto são ilegais, “Diz Nunes se o rackeamento fosse tolerável para um meio de obtenção de provas ainda que para defender-se ninguém mais estaria seguro de sua intimidade, de seus bens, da sua liberdade, tudo seria permitido, são inaceitáveis tais provas”, Fachin já havia anulado as sentenças de Moro contra Lula, no começo do mês por considerar que a 10° vara de Curitiba não poderia ter julgado o processo, já que os supostos crimes teria sido cometidos em Brasília, com as suspenções de Sergio Moro todas as ações do ex juiz são anuladas no processo, inquéritos, buscas e apreensões, depoimentos e quebra de sigilos deixam de valer, na prática o juiz que assumir o caso em Brasília terá que recomeçar o caso do zero.