Veja como viajar pelos mares custa menos que você imagina

Dizem por aí que os cruzeiros compõem um mundo à parte no universo das viagens. Há cruzeiros pelos mais variados destinos do mundo, e há destinos que, ouso arriscar, talvez a melhor maneira de conhecer seja mesmo com um cruzeiro — é o caso, por exemplo, do Alasca, dos fiordes noruegueses e da Antártida.

Há empresas que operam no mundo todo e outras que se especializaram em determinada região, valorizando em seus roteiros pequenas localidades históricas e lugares com belezas naturais.

Como eu disse antes, foi-se o tempo em que cruzeiros eram necessariamente viagens luxuosas e caras. Há diversas companhias que, ao contrário, investem no apelo econômico de suas viagens.

Um cruzeiro de uma semana pela costa brasileira, por exemplo, custa menos que o mesmo período num resort nordestino de qualidade semelhante. O novo segmento de cruzeiros econômicos faz sucesso não apenas no Brasil, mas no mundo todo.

A companhia Easy Jet, por exemplo, criou a Easy Cruise, que oferece roteiros muito simples pelo Caribe (e, eventualmente, pelo Mediterrâneo), sem nenhuma das re-feições incluídas nem entretenimento a bordo, mas que chegam a custar quinze euros por noite em saídas super promocionais — perfeitos para quem está mais interessado nos locais de escala que na viagem de navio em si.

Ao escolher a viagem, a regra principal é pesquisar até encontrar o navio, o destino e a companhia de cruzeiros que mais se encaixam no seu perfil. Mas escolher o cruzeiro em função do